Na “farinhada” a busca da harmonia com os alimentos

Acompanhamos a produção de farinha de mandioca num engenho tradicional

No sábado, dia 25 de setembro, acompanhei um grupo organizado pelo CEPAGRO – Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo – num passeio à Angelina para acompanhar uma farinhada, processo artesanal de produção da farinha de mandioca em engenho de roda d’água.

Essa produção faz parte do movimento Slow Food Brasil.

Há algum tempo lemos sobre Slow Food, movimento que iniciou na Itália como oposição ao chamado fast food e cresce cada vez mais pelo mundo. Os participantes investem na possibilidade de comer melhor, saber de onde vem o seu alimento, ter contato com o produtor que, por sua vez, está ligado à ideia da produção livre de agrotóxico e tenta manter vivas tradições culturais, como é o caso da produção de farinha nos engenhos de roda.

Slow food é ter tempo para fazer uma refeição. É entrar em sintonia com a comida e o seu entorno, coisas que o cotidiano do mundo atual não privilegia. Pensar nessa linha envolve uma reflexão constante sobre como levamos a vida.

Pois bem, o sítio da D. Catarina e do Seu Celso , faz parte desse movimento. Lá é produzido praticamente tudo que é necessário para a subsistência.  O casal faz parte da comissão que vai, em outubro, para Turim, na Itália. Participarão do evento Terra Madre que é  um encontro mundial das comunidades do alimento de todo o mundo e acontece desde 2004.

Refeição farta com produtos locais

Lá em Angelina, além da família do seu Celso e da D. Catarina, que nos recebeu super bem, estava o chef Ubiratan Farias, responsável pelo almoço que foi feito praticamente só com os produtos locais.

Havia uma harmonia muito grande entre os convidados, os anfitriões e o lugar. Não quero pecar aqui por construir uma imagem bucólica do homem do campo, mas afirmar o quanto, embora imersos numa rotina de trabalho pesado, as pessoas sentem-se reconhecidas pelo que fazem e da sua importância, num contexto social que considera o consumo e o urbano como os únicos modelos viáveis.

O dia foi vivido com muita comida: pães de vários tipos, produtos a partir da farinha como o cuscuz e o biju, rosca de polvilho… No almoço feijoada vegetariana, moqueca de peixe de açude e galinhada, sem contar as várias saladas e acompanhamentos.

Seu Celso cuida o ponto melado

Durante todo o dia observamos o forno onde era produzido o açúcar de cana. Vimos a garapa virar melado até chegar o ponto do açúcar mascavo (que por sinal, ainda levaria mais alguns dias para secar e ficar pronto!).

No mesmo engenho acompanhamos a raspagem da mandioca, o processo de fazer a massa, a ida pra prensa, de onde sai o liquído que quando decanta faz o polvilho, e a massa mais seca que vai para outro forno para secar e tornar-se farinha.

Incrível ver várias gerações da família presente para o evento. Todos envolvidos na produção.

Acompanhar este processo foi importante para perceber o significado da comida pra cada um. Um momento de encontro entre a qualidade e a busca de equilíbrio num jeito de fazer a vida melhor.

Foi ótimo encontrar e conhecer as pessoas. Trocar ideias e receitas e pensar sobre as coisas que fazemos. Agradeço imensamente ao seu Celso e a dona Catarina por terem me recebido e permitido que eu usufruísse daquele espaço com tantas imagens. Parabéns às pessoas do CEPAGRO pelo empenho que investem e acreditam no potencial desse movimento. Para quem se interessa pelo assunto pode visitar site Slow Food Brasil ou do CEPAGRO.

VEJA GALERIA DE FOTOS DA FARINHADA

Anúncios
Esse post foi publicado em Cultura gastronômica e marcado , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Na “farinhada” a busca da harmonia com os alimentos

  1. Rosimeri disse:

    Ta muito legal isso aqui. 🙂 Sabe né, hoje em dia os blogs fazem promoções para os seus estimados leitores. Tô esperando o sorteio que vai dar um vale-refeiçao. Pode mandar o prêmio na marmita mesmo, ahahaha.

    • Sônia Vill disse:

      Ahahaha. Oi, Rosimeri. Vou pensar na sua sugestão… Um vale refeição ia ser divertido, hein? Bj

  2. michelle disse:

    oie! conheci o blog de vcs pelo blog cronicasderegina e gostei bastante! nunca tinha ouvido falar de farinhada até mudar para cá, vou pesquisar melhor os links indicados. também posto algumas receitas, se quiserem me visite, será um prazer. abçs, michelle.

  3. Sandra disse:

    Pensar que pessoas estão mobilizadas para superar a correria e viver o cotidiano com mais leveza, qualidade e conexão consigo, com o outro e com os espaços… me fascina.
    Grata pela escrita e imagens! Bjos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s