Dá para fazer pizza em casa?

Podia ser por telefone, mas o bom é tentar fazer! Há tempo discutimos a possibilidade de fazer uma pizza de boa qualidade em casa, num apartamento, no caso, sem nada comparável a um forno a lenha.

É sabido que a grande questão do forno a lenha é que ele obtém uma temperatura muito superior aos fornos a gás ou elétricos. Há alguns fornos elétricos que funcionam com alta pressão e assim conseguem elevar a temperatura, mas é claro que não tenho um destes.

Há tempo ouvimos falar que uma pedra dentro do forno ajuda a elevar a temperatura e homogeneizá-la. Soninha já testou com um bloco de cerâmica e obteve bom resultado fazendo pães. Então resolvemos mandar cortar uma pedra de granito do tamanho exato do nosso forno para avançar na aventura da pizza.

A massa

Botamos a pedra no forno, ligamos no máximo e fomos preparar o resto das coisas.

Para a massa os ingredientes básicos são: fermento biológico, farinha de trigo, azeite e sal.

Numa tigela junte um tablete de fermento, ou pacotinho, em meia xícara de água morna e mexa para dissolver.

Coloque a farinha peneirada numa superfície lisa. Faça uma cavidade no meio, coloque um pouco de sal.

Acrescente o fermento e comece a misturar com um garfo. Aos poucos incorpore mais meia xícara de água morna e um fio de azeite.  Depois trabalhe a massa com as mãos até que fique bem consistente e elástica.

Com a massa pronta, cubra com um pano e deixe descansar por três horas. Depois, polvilhe farinha numa superfície e abra a massa no formato que desejar.

A nossa receita foi adaptada à metade dessas medidas, pois não queríamos que sobrasse massa.

O molho de tomate

Nenhuma pizza é boa sem um bom molho de tomate na sua base:

– uma cebola picadinha

– um dente de alho picadinho

– uma lata de tomate pelado

– Dois galhos de majericão fresco

– Sal e pimenta

– Meio cálice de vinho branco seco

Na panela com azeite devidamente aquecido vai a cebola que refoga até murchar antes de receber a companhia do alho. Em seguida vem o tomate que “quebramos” em pedaços na própria panela. Correção de sal e pimenta do reino a gosto. Vinho branco e deixa levantar fervura por poucos minutos. Com um mixer (ou liquidificador, na sua ausência) tritura-se tudo. Por fim os galhos de manjericão inteiros. E deixa-se o molho apurar por uns 20 minutos, mexendo vez que outra.

A montagem

Optamos por fazer uma única pizza grande no tradicional sabor Margherita.

Abrimos a massa e, na falta de uma espátula grande para manipulá-la inteira colocamos ela na pedra quente num formato quadrado. Enquanto um segurava a pedra, outro espalhava o molho sobre a massa, queijo mussarela ralado grosso e, por fim, fatias de tomate sobre tudo.

Uma certa ansiedade fazia a gente dar uma espiada vez que outra no forno. Em cerca de 15 minutos sentimos a borda crocante, demos uma olhada no fundo da pizza e vimos que estava ok. Foi fácil removê-la da pedra: apenas puxamos com uma pinça grande e ela escorregou íntegra para a tábua em que foi a mesa. Mas antes de comer espalhamos folhas de manjericão fresco que só com o calor da pizza solta um perfume espetacular.

Resultado

Não ficou ruim, mas precisa melhorar:

A massa poderia ter um pouco mais de farinha, ser mais consistente para facilitar a manipulação e permitir que fosse aberta mais fina.

Ficou um pouco massuda, por conta da altura da massa, mas o recheio e a massa cozeram no mesmo tempo, o que é boa notícia.

O molho ficou excelente e fez o seu trabalho ressaltado pelo manjericão fresco.

Vamos tentar outras vezes até chegar a algo melhor ainda.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Cultura gastronômica, Receitas e marcado , . Guardar link permanente.

7 respostas para Dá para fazer pizza em casa?

  1. Adriane Canan disse:

    eu comia! 🙂

  2. Freddo disse:

    Prezado, estou pensando em fazer o mesmo que você, ou seja, comprar uma pedra pra colocar no forno. Aproveitando a sua experiência, me tire algumas dúvidas: 1) Qual a espessura da pedra? 2) Que tipo de granito você utilizou (branco, preto, etc..) 3) Alguma providência em especial pra evitar que a pedra trinque?. Parabéns pelo seu blog!

    • Sônia Vill disse:

      Olá, Freddo.
      Mandei fazer a pedra numa marmoraria, na medida exata do forno. Pedi um granito de 2cm de espessura, daqueles que são acinzentados, meio mesclados, sabe? Uma linha mais barata. Pedi que a pedra fosse polida em toda a volta, arredondando a borda. Por fim, um dos cuidados que tomamos é não derrubar água fria, por exemplo, na pedra quente. Acho que os contrastes de temperatura são arriscados. Espero ter ajudado. Agradecemos sua visita e volte sempre. Abs.

  3. renata rosa disse:

    Cozinha é tipo um laboratório mesmo, né? Eu adoro me aventurar, mas erro bastante! É como a ciência: tentativa e erro, até chegar à perfeição! Bjs gastronômicos!

    • Sônia Vill disse:

      Oi, Renata. Errar, experimentar, fazer de novo… A alegria da cozinha está nisso, não é mesmo? Sim, a cozinha é um lugar muito especial… Bjão

  4. DEsirée disse:

    Adorei a proposta do Blog! Parabéns!
    Tenho uma dúvida: quanto à pedra, li no comentário anterior que você mandou fazer em uma marmoraria. Gostaria de saber qual foi, mais ou menos, o preço, pois estou pensando em fazer a mesma coisa! hehehe

    • Sônia Vill disse:

      Olá. Confesso que não lembro o nome da marmoraria nem quanto custou. Mas qualquer marmoraria faz. Sobre o preço não é nada absurdo, acho que foi menos de R$100,00. Tudo depende da pedra que vc escolher. Escolhi um granito da linha mais econômica. faça mesmo, vc não vai se arrepender. Abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s